Quinta-feira, 25 de Janeiro de 2007
Zézinhos e fundamentalismos



Duane Hanson Abortion, 1965

Por razões de prudência táctica, e para não cair em armadilhas do passado, os partidários do “Sim” escolheram nesta campanha não ir em conversetas metafísicas.
Assim, quando das trincheiras do “Não” jorram os esperados gritos de “é uma vida humana”, e lá começam a chover os “zézinhos”, as imagens de ecografias, os folhetos com fetos retalhados, o “Sim” retorque com questões sociais, com a dignidade da mulher e outros temas que não respondem à interpelação central. Afinal, um feto com 10 semanas é mesmo uma Vida Humana ou não?
Responder a esta pergunta não é um passatempo religioso. Aliás, até a Bíblia se contradiz neste tema — incluindo mesmo uma passagem (Hebreus 7:10) onde se declara que Levi já era gente quando ainda brincava nos testículos do pai — seja no Antigo Testamento ou nas palavras de Cristo. E mesmo a Igreja Católica hesitou entre a prudente posição de Aristóteles e de S. Agostinho — só quando a mãe começa a sentir os movimentos do feto é que este se encontra verdadeiramente “animado”— e o radicalismo de inventar por si, sem inspiração superior, a ideia de que a alma desce sobre nós no segundo inicial da concepção. Nos dias do bispo Teodoro de Tarso, o sexo oral era crime merecedor de penitência bem mais dura que o aborto. Só no fim do século XIX deixou de existir a distinção entre  "fetus animatus" e "fetus inanimatus", passando a Igreja a condenar todos os abortos, não apenas aqueles realizados após o primeiro trimestre de gravidez!
Agora, estes séculos de hesitação teológica esfumaram-se das cabeças dos adoradores de simplicidades. “É uma vida humana” e pronto. Só não se entende porque é que estes fundamentalistas não exigem penas correspondentes à prática de homicídios para todas as mulheres que abortem. Como podem falar de despenalização para assassinas?
Adiante. Outra coisa estranha é o facto de quase todos aceitarem a inexistência prolongada de actividade cerebral como marca comprovada do fim da vida humana mas parecerem incapazes de usar padrão simétrico para marcar o seu início. Aqui, a Ciência, desapaixonada e isenta, dá-nos respostas concretas. Se um embrião ainda não possui sistema nervoso central activo, estando o seu córtex desligado do tálamo, não é um ser humano, não possui ainda a estrutura biológica onde se aloja a nossa consciência, a nossa alma. Poderá sê-lo “em potência” ou “aos olhos de Deus”; mas é tão senciente quanto um feto anencefálico. E que médico levaria até ao fim uma gravidez dessas?
A bem da verdade, se eu acreditasse que um feto com 10 semanas é já uma pessoa, nunca conseguiria votar “Sim”. Mas todos os factos apontam na direcção oposta. Por muitos “zézinhos” que me esfreguem na cara entre rezas e ameaças de excomunhão.

(Publicado no excelente 5 dias)

tags:

publicado por Luis Rainha às 12:07
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De tonitorodrigues a 26 de Janeiro de 2007 às 19:51
Sabes, até podes ter razão no que dizes... mas ainda vou mais longe...

Mesmo após o nascimento, aquilo que vês e tens nos braços ainda não é uma pessoa...

O bebé começa a dizer as promeiras palavras e ainda não é pessoa...

A criança já gatinha, e mesmo assim ainda não é pessoa...

Sabes quando é que um ser humano passa a ser pessoa? Exactamente a partir do momento em que o mesmo se reconhece enquanto pessoa.

Se reparares. uma criança cada vez que quer pedir algo, ela diz... "a Joana quer um chocolate".

Quando ela se desenvolve e a partir do qual já se pode dizer que ela é pessoa, o seu discurso é... "EU quero um chocolate"

Já percebeste a diferença?

Agora sê suficientemente digno e deixa os fectos tornarem-se pessoas.

Num país com uma taxa de natalidade tão baixa e com uma população tao envelhecida é uma estupidez liberalizar o aborto.

Se para liberalizar o aborto é preciso que o despenalizem, então prefiro que a lei se cumpra e que a pena passe para 5 anos... pode ser que sirva de exemplo pra esta "cambada" de seres vivos se responsabilizar e ter plena consciencia que brincar com uma vida é totalmente diferente que brincar com um carrito.


De Luis Rainha a 27 de Janeiro de 2007 às 00:53
Tu tens essa ideia sobre o momento em que alguém é pessoa. A embriologia e a neurologia têm outra. Sobre esse remédio para os nossos problemas de natalidade, é melhor nem dizer nada...


Comentar post

Sustos recentes

Inté

Adivinha

O pirata do olho de vídeo

Mas será que a senhora es...

Inês Pedrosa perde o pé

As coisas são como são

UE PRETENTE IMPOR I2O Grs...

Manicomics

Some of my favourite thin...

A noite do morto vivo 31

É o povo, senhores (2)

A fórmula perdida

É o povo, senhores...

Um engenheiro debaixo de ...

O "nosso ilustre candidat...

Momento Espada da semana

0,31 da Armada

Great minds think nearly ...

Living in the past

Pronto, está bem, junto-m...

Pela Comarca de Guantanam...

Escondam lá a roupa suja,...

Apesar das ameaças de vet...

Publicidade dadá (3)

Publicidade dadá (2)

Literatura Socrática

Luis, pode falar-se de um...

Publicidade Dadá

Primeiro pensamento da be...

Como vai mal o humor em P...

O gap que nos faltava pre...

A vida social dos nossos ...

Manicomics

O título mais cómico do a...

CARICATURA#7

Sexware

Um novo sentido para "dan...

Espada e as "surpresas am...

Brinde da semana

Cocteau Twins — Wax and Wane
Ectoplasmas vários
Artiste du Jour
Antony Gormley
tags

todas as tags

pesquisar
 
subscrever feeds