Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2007
Anamnese (1)


René Magritte — La Mémoire

Voltar a pegar em coisas que comecei a escrever há anos é sempre fonte de perplexidades. Sou interpelado a cada parágrafo por uma forma de ver e fazer que me parece intimamente familiar mas, ao mesmo tempo, terreno de oblíquas deformações, pequenas estranhezas. Há um subtil véu de alteridade a recobrir palavras e frases que julgava minhas mas que, afinal, são de autor já desaparecido; alguém que a minha memória só consegue invocar de forma desfocada e lacunar. Algures por aqui, piso uma fronteira entre a completação e o palimpsesto.

tags:

publicado por Luis Rainha às 17:25
link do post | comentar | favorito
|

Sustos recentes

Inté

Adivinha

O pirata do olho de vídeo

Mas será que a senhora es...

Inês Pedrosa perde o pé

As coisas são como são

UE PRETENTE IMPOR I2O Grs...

Manicomics

Some of my favourite thin...

A noite do morto vivo 31

É o povo, senhores (2)

A fórmula perdida

É o povo, senhores...

Um engenheiro debaixo de ...

O "nosso ilustre candidat...

Momento Espada da semana

0,31 da Armada

Great minds think nearly ...

Living in the past

Pronto, está bem, junto-m...

Pela Comarca de Guantanam...

Escondam lá a roupa suja,...

Apesar das ameaças de vet...

Publicidade dadá (3)

Publicidade dadá (2)

Literatura Socrática

Luis, pode falar-se de um...

Publicidade Dadá

Primeiro pensamento da be...

Como vai mal o humor em P...

O gap que nos faltava pre...

A vida social dos nossos ...

Manicomics

O título mais cómico do a...

CARICATURA#7

Sexware

Um novo sentido para "dan...

Espada e as "surpresas am...

Brinde da semana

Cocteau Twins — Wax and Wane
Ectoplasmas vários
Artiste du Jour
Antony Gormley
tags

todas as tags

pesquisar
 
subscrever feeds