Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2007
Anamnese (2)


Tenho acordado muitas vezes com o travo de um novo tipo de sonhos ainda a escorrer-me do palato. Um travo a um tempo familiar e estranho. Sonho nessas noites com episódios ou espaços da minha infância, só que em versões corrigidas e ampliadas: a quinta da família passou a incluir labirintos de divisões ocultas, prenhes de mistérios e decorações exóticas; a cidade onde nasci surge transfigurada numa metrópole aventurosa, povoada por entes magníficos, vistas sem par, vielas de mistério e enigma. Os meus amigos dos verdes anos multiplicaram-se, ganharam qualidades mil. E eu - por fim eu, protagonista inevitável - reino supremo sobre enredos que nunca me aconteceram no mundo desperto. Reparem que há por ali uma aderência débil mas tenaz à realidade: tudo começa, tudo se desenha, tudo cresce com raízes em pessoas e sítios de que me lembro bem; mas com o brilho technicolor que só as infâncias dos outros têm, tumultuosas, mágicas e belas. Que se passa? Teorizo que a parte automática e subterrânea da minha mente, a maquinaria que trabalha em silêncio para me acolchoar a existência, já percebeu que a minha vida não vai, afinal, ter tempo para feitos dignos de registo. Aos quarenta e tal anos, o que me podia acontecer de magnífico já por certo aconteceu. E foi tão pouco. Tão pouco para encher todos os escaninhos que a memória humana nos oferece para embalsamar os dias, todos os dias. Assim, as minhas reminiscências estão a ser falsificadas e expandidas aos poucos. A ficção gentil toma o lugar da realidade desolada. Começando pelos sonhos, cada vez mais intensos, mais vivazes, mais verosímeis - tudo aquilo que falta às minhas horas de vigília. Sou como o pelintra esperançoso quando por fim se conforma com a impossibilidade de alguma vez vir a comprar a sua casa de sonho: remobila, redecora, refaz o seu pardieiro minúsculo, criando por todo o lado novos nichos, para dar a ilusão de espaços mais felizes e amplos. A minha infância está assim em obras. Por enquanto só em sonhos, por enquanto só a minha infância. Antevejo o dia em que não conseguirei distinguir a memória confiável da doce impostura. E o pior é que nem receio tal dia. Sofro a sua ausência.

tags:

publicado por Luis Rainha às 00:34
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De py a 28 de Fevereiro de 2007 às 23:19
Deixa estar, eu também, e é muito prático! Acho que foi anteontem, algures a meio da noite, um homem jovem, abriu-me as mãos e pôs as dele dentro das minhas, seria um sonho (?), mas sentia-se mesmo. Ora sempre gostei de dormir com as patas dadas mas não gosto que me chateiem logo pela manhã...


Comentar post

Sustos recentes

Inté

Adivinha

O pirata do olho de vídeo

Mas será que a senhora es...

Inês Pedrosa perde o pé

As coisas são como são

UE PRETENTE IMPOR I2O Grs...

Manicomics

Some of my favourite thin...

A noite do morto vivo 31

É o povo, senhores (2)

A fórmula perdida

É o povo, senhores...

Um engenheiro debaixo de ...

O "nosso ilustre candidat...

Momento Espada da semana

0,31 da Armada

Great minds think nearly ...

Living in the past

Pronto, está bem, junto-m...

Pela Comarca de Guantanam...

Escondam lá a roupa suja,...

Apesar das ameaças de vet...

Publicidade dadá (3)

Publicidade dadá (2)

Literatura Socrática

Luis, pode falar-se de um...

Publicidade Dadá

Primeiro pensamento da be...

Como vai mal o humor em P...

O gap que nos faltava pre...

A vida social dos nossos ...

Manicomics

O título mais cómico do a...

CARICATURA#7

Sexware

Um novo sentido para "dan...

Espada e as "surpresas am...

Brinde da semana

Cocteau Twins — Wax and Wane
Ectoplasmas vários
Artiste du Jour
Antony Gormley
tags

todas as tags

pesquisar
 
subscrever feeds