Domingo, 11 de Março de 2007
Sexware

Barbara Kruger - Untitled, 1989

Agora que já passou o Dia da Mulher, posso dizer sem receio de (muitas) represálias, que concordo com o Rodrigo. Mas acho que ele, de forma atípica, não foi ao fundo da questão. Passa-se sim que as mulheres dos dias de hoje só parecem ter dois chips para regular a sua sexualidade: o módulo "Gaja" e o módulo "Senhora". Enquanto se ocupam da conquista de território virgem, da perseguição das hordas inimigas em debandada e da posterior pilhagem da população ocupada, a liberdade dada às tropas é total. A "Gaja" é sexualmente ousada, imaginativa e dotada de considerável poder de iniciativa. Parece por vezes insaciável e quase maníaca na busca de surpresas e novas fronteiras.
Depois, vem a fase de consolidação do poder recém-adquirido. Estando o inimigo cativo, desarmado e à sua completa e abjecta mercê, a mulher trata de se reprogramar com o módulo "Senhora". E lá se vão a ousadia, a ferocidade, o pulsar do sangue nas têmporas com escasso juízo. É que uma senhora não faz "essas coisas" nem se comporta "assim".
Depois, lá nos juntamos nos, homens submissos e desapontados, em manadas junto a balcões fumarentos, comentando que "aquilo já não é nada como ao princípio". Não é nem tem nada que ser: a mulher, uma vez segura dos domínios conquistados, tem mais onde empregar a sua energia do que em cabriolas entre lençóis. Zelar pela propagação saudável da espécie e aturar os calões dos homens são tarefas bastantes para as consumir por inteiro.


publicado por Luis Rainha às 00:26
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Jorge a 11 de Março de 2007 às 02:15
Não digas às gajas (nem às senhoras), mas connosco passa-se quase o mesmjo. Quando a coisa entra no ramerrame, deixa de ter tanta piada e começa-se a lançar olhadelas cobiçosas aos pares de redondezas que passam por perto.


De Luis Rainha a 11 de Março de 2007 às 09:58
Na verdade, cada um (e cada uma) deve se como cada qual. Mas a minha parca experiência diz-me que isso do ramerrame começa sempre do lado da "addversária"...


Comentar post

Sustos recentes

Inté

Adivinha

O pirata do olho de vídeo

Mas será que a senhora es...

Inês Pedrosa perde o pé

As coisas são como são

UE PRETENTE IMPOR I2O Grs...

Manicomics

Some of my favourite thin...

A noite do morto vivo 31

É o povo, senhores (2)

A fórmula perdida

É o povo, senhores...

Um engenheiro debaixo de ...

O "nosso ilustre candidat...

Momento Espada da semana

0,31 da Armada

Great minds think nearly ...

Living in the past

Pronto, está bem, junto-m...

Pela Comarca de Guantanam...

Escondam lá a roupa suja,...

Apesar das ameaças de vet...

Publicidade dadá (3)

Publicidade dadá (2)

Literatura Socrática

Luis, pode falar-se de um...

Publicidade Dadá

Primeiro pensamento da be...

Como vai mal o humor em P...

O gap que nos faltava pre...

A vida social dos nossos ...

Manicomics

O título mais cómico do a...

CARICATURA#7

Sexware

Um novo sentido para "dan...

Espada e as "surpresas am...

Brinde da semana

Cocteau Twins — Wax and Wane
Ectoplasmas vários
Artiste du Jour
Antony Gormley
tags

todas as tags

pesquisar
 
subscrever feeds