Quarta-feira, 10 de Janeiro de 2007
O arcebispo que não foi
Stanislaw Wielgus, nomeado Arcebispo de Varsóvia, viu revelada a sua colaboração com a polícia política comunista e desistiu da investidura, minutos antes desta acontecer. O seu vínculo laboral à Sluzba Bezpieczenstwa (só o nome já assusta) terá durado 20 anos. Nada de mais: cerca de 15% dos religiosos polacos complementaram os magros estipêndios com part-times similares.
Mas trata-se de desenlace injusto. Wielgus limitou-se a criar um tipo inovador de ecumenismo, fomentando laços entre o Catolicismo e essa outra religião de antanho, o Comunismo. Ao fim e ao cabo, muito une os dois credos: veneram escrituras vetustas, acreditam em coisas do outro mundo, têm um fraquinho por líderes infalíveis e revelam dificuldades em lidar com os dias de hoje. Porque não criar pontes entre adversários com tanto em comum, terá pensado o bravo monsenhor…
Depois deste episódio nada edificante, não se entende porque fugiu Bento XVI de uma visita a Fátima; bem precisado de milagres anda ele.


publicado por Luis Rainha às 17:46
link do post | comentar | favorito

Sustos recentes

O arcebispo que não foi

Ectoplasmas vários
tags

todas as tags

pesquisar
 
subscrever feeds